domingo, 18 de dezembro de 2011

Papai Noel de Greve?

Rafael Guimarães
Uma divertida mensagem de Natal feita pela equipe a Pólen filmes.



Criação e Direção: Diego Poncell

Roteiro: Diego Poncel, Rafael Guimarães e Marconi Loures

Animação:
Diego Poncell
Gabriel Brandão
Israel Chaves
José Fernandes
Marconi Loures

Ilunimação: Diego Poncell
Modelagem: Diego Poncell e Israel Chaves
Rig: José Fernandes
Pós-Produção e Edição: Rafael Guimarães
Músicos: João Higino de Oliveira e Lucas

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Paulicéia - Mário de Andrade

Rafael Guimarães


Mais um trabalho impressionante do Birdo Studio.

domingo, 27 de novembro de 2011

Mais Valia - Filme de Marco Túlio Ramos

Rafael Guimarães
Filme de conclusão do curso de Cinema de Animação da UFMG.

 

Marco Túlio também trabalhou como animador no filme "As Aventuras do Aviãozinho Vermelho".

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Eu Queria Ser um Monstro de Marão

Rafael Guimarães


O cotidiano de uma criança com bronquite durante sua infância em Nilópolis.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Mãe (de) Herói de Eduardo Pansica

Rafael Guimarães

Mãe (de) Herói from eduardo pansica on Vimeo.

Um super-herói tenta salvar a mocinha de um grande vilão, quando surge sua mãe super protetora.
Mãe (de) Herói é o trabalho de conclusão da graduação em Artes Visuais pela Escola de Belas Artes da UFMG.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

"Dália", de Fabrício Franco Manreza e Arthur Fernando de Pádua

VITOR DRUMOND

Em Dália, um homem, como tantos outros, vive em uma rotina diária. Mas um acontecimento muda tudo.

Dália é um curta de animação de Fabrício Manreza e Arthur Fernando de Pádua

"Rattus, Rattus", dirigido por Zé Brandão

VITOR DRUMOND
O Rio de Janeiro no início do século passado, era, literalmente, um zoologico de pestes. Um dos grandes aborrecimentos era a peste bubônica, transmitida por pulgas de ratos. Para acabar com o problema, o médico sanitarista Oswaldo Cruz iniciou uma guerra contra os roedores. E usou uma medida polêmica: oferecia dinheiro para cada animal morto. Matar ratos virou um negócio e várias pessoas passaram a criar os bichanos para revendê-los depois.

E nesse cenário que Zé Brandão, da Copa Studio, conta a história de um menino que quer comprar uma bola e precisa de dinheiro. Já dá para imaginar qual é a forma de financiamento encontrada por ele, certo? O resultado é o curta de animação Rattus Rattus, lançado em 2009. Tá aí embaixo:


O animador Diogo Viegas, que trabalho no projeto, colocou na web alguma cenas em pencil test de Rattus Rattus.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Carlos Saldanha e "Rio" provocam mudança de planos na Pixar

VITOR DRUMOND

"Rio" é uma animação hollywoodiana e Carlos Saldanha tem uma formação americana quando se pensa em cinema. Então, não se trata, na teoria, de uma animação nacional. Mas Saldanha é brasileiro e faz parte de uma realidade da animação nacional, onde tantos saem do país em busca de melhores condições para o exercício de seu ofício.

Enfim, é sempre gratificante ver a bem-sucedida trajetória de Saldanha na animação internacional.

E se os números da trilogia "A Era do Gelo" e de "Rio" ainda não foram suficientes para comprovar o poder diretor nos EUA, um dado tira qualquer dúvida do ar: a toda-poderosa Pixar mudou um de seus planos por causa de "Rio".

Quem acompanha as notícias vindas da Pixar, sabia que um de seus projetos era a animação "Newt". O estúdio pretendia lançá-lo no ano que vem, mas, apesar de já terem sido produzidos alguns materiais, foi cancelado.

Ninguém sabia o motivo....until now!!!


"Nós começamos a desenvolver projetos, alguns vão para frente, outros não. A história (de "Newt) era muito similar à de um filme que está nos cinemas agora com uma arara azul. Grande mentes pensam igual, eu acho. Era muito similar", disse Lasseter ao site.
Estamos falando de uma companhia que lançou "Vida de Inseto" um mês depois de "Formiguinhaz", da Dreamworks, chegar aos cinemas. Ou a Pixar anda mais cautelosa, ou percebem o potencial de Saldanha. Ou as duas coisas, certo?

Aí vai a sinopse de "Newt":
"O que acontece quando as duas últimas salamandras de pé azul do planeta são forçadas pela ciência para salvarem a espécie, mas não se suportam? Este é o problema de Newt e Brooke. Eles embarcam em uma imprevisível aventura e descobrem que encontrar um parceiro nem sempre acontece como planejado, até mesmo quando esta é a sua única opção. Amor, afinal, não é uma ciência"
Acham parecida com a de "Rio"?
"Blu é um arara azul macho domesticado que acredita ser o único de sua espécie. Até que descobre a existência de uma arara azul fêmea  no Rio de Janeiro. Blu e seu dono vão para o Rio para encontrá-la. E, quando se encontram, não se suportam"

Número de inscritos do Anima Mundi 2011 bate recorde

VITOR DRUMOND

O pessoal por trás da seleção dos projetos do Anima Mundi foi curto e grosso em sua última declaração.

Não, não foram divulgados os selecionados deste ano. Apenas revelados alguns números interessantes: já são quase 1500 DVDs em processo de análise.

E deste número, um recorde: 17 longas-metragens inscritos.

Para um país que conseguiu produzir e lançar apenas 15 longas de animação durante 24 anos (de 1987 a 2011) é um numero animador.

Aqui está o post oficial do Anima Mundi 2011

ERRATA: A afobação deste blogueiro que lhes escreve produziu um pequeno lapso. Os longas inscritos não são necessariamente nacionais. A frase que risquei acima dá a entender que são apenas projetos brasileiros. Viagem minha, ok? Mas fica aí o post, para mostrar a importância que o Anima Mundi vem adquirindo ao longo dos anos.

terça-feira, 3 de maio de 2011

"Quindins", dirigido por David Mussel e Giuliana Danza

VITOR DRUMOND

Quindins from David Mussel on Vimeo.

Quindins conta a história de Quiléia, uma dedicada esposa viciada no doce de gema de ovo que intitula o curta. Seu marido está com uma doença terminal e ela decide parar de comer quindim como um sacrifício para Santo Antônio de Pádua. Mas uma revelação muda tudo.

Quindins foi dirigido por David Mussel e Giuliana Danza, formados em cinema de animação pela UFMG.

Um pouco de história: "Piconzé", de 1971

VITOR DRUMOND
Ao fazer a pesquisa para o post anterior, me deparei com o projeto Ypê Nakashima e não poderia deixar passar batido. Nakashima é um dos pioneiros da animação no país, diretor de "Pinconzé", o terceiro longa-metragem do gênero na história audiovisual brasileira, lançado no início da década de 70.

Nakashima, como o nome entrega, não é brasileiro. Nascido no Japão, formado em Belas Artes, se tornou em um conhecido chargista no seu país natal. Resolveu vir para o Brasil em 1956, com a mulher e o filho.

Foi feito um documentário sobre ele. O projeto, porém, encontrou problemas para falar sobre a produção de "Piconzé" por um simples motivo. Os negativos do filme desapareceram, assim como boa parte do material que Nakashima produziu para a animação está deteriorado.

Sim. Eu sei que este blog já falou sobre o assunto (aqui e aqui). Mas, na época, no foi dada a seguinte informação: é possível assistír Piconzé no site do Projeto Ypê Nakashima. É só clicar aqui. A página também traz informações sobre a equip e disponibiliza cartaz do filme e algumas imagens de storyboards, cenários, modelo de personagem e outros. 

Animação brasileira e projetos: qual é o cenário?

VITOR DRUMOND
Arnaldo Galvão, diretor da primeira gestão e figura importante da ABCA (Associação Brasileira de Cinema de Animação) fez uma inédita e importante pesquisa para área: levantou toda a produção audiovisual de animação no país entre longas e séries de TV. Entraram na lista projetos já exibidos e que já receberam recursos.

As listas abaixo, portanto, foram frutos da pesquisa de Galvão. 

Coloquei links em todos os projetos e produtoras que achei na rede. Se souberem de algum que faltou, ou perceberem algum que não está correto, por favor, me avisem. 

Segundo a pesquisa de Galvão, no cinema de animação nacional, foram 23 longas produzidos. São eles:

Sinfonia Amazônica (1951), de Amélio Lattini
Presente de Natal (1971), de Álvaro Henrique Gonçalves
Piconzé (1972), de Ypê Nakashima
As Aventuras da Turma de Mônica (1982), de Maurício de Sousa
A Turma da Mônica em: A Princesa e o Robô (1983), de Maurício de Sousa
Boi Aruá (1983), de Chico Liberato
As Novas Aventuras da Turma da Mônica (1986), de Maurício de Sousa
A Turma da Mônica e a Sereia do Rio (1987), de Maurício de Sousa
A Turma da Mônica em: O Bicho Papão (1987), de Maurício de Sousa
A Turma da Mônica e a Estrelinha Mágica (1988), de Maurício de Sousa
Rocky & Hudson, os Caubóis Gays (1994), de Otto Guerra
Cassiopeia (1996), de Clóvis Vieira
O Grilo Feliz (2001), de Walbercy Ribas Camargo
Cine Gibi da Turma da Mônica (2003), de Maurício de Sousa
Xuxinha e Guto contra os Monstros do Espaço (2005), de Diller Trindade
A Turma da Mônica em uma Aventura no Tempo (2006), de Maurício de Sousa
O Garoto Cósmico (2006), de Alê Abreu
Brichos (2006), de Paulo Munhoz
Wood & Stock, Sexo, Orégano e Rock´n´Roll (2006), de Otto Guerra
O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes (2008), de Walbercy Ribas Camargos
Belowars (2008), de Paulo Munhoz
As Aventuras de Gui & Estopa (2009), de Mariana Caltabiano
Brasil Animado 3D (2011), de Mariana Caltabiano.

Repare no ano de 2006, quando quatro animações foram lançadas.

Preste atenção, também, na próxima lista. São todos os filmes em produção, que já receberam algum recurso. Perceba o crescimento da área, afinal, são quinze projetos na lista. E nenhum relacionado à Turma da Mônica.

Lutas, direção de Luis Bolognesi | Buriti Filmes
Bugigangue no Espaço, direção de Alexandre Machado de Sá | 44 Toons
Minhocas, direção de Paolo Conti e Arthur Nunes | Glaz e Anima King
Historietas Assombradas, direção de Victor Hugo Borges | Glaz
Uma Noite na Biblioteca, direção de Diego M. Doimo | Rocambole Produções
Peixonauta: Um Pequeno Problema, direção de Célia Catunda e Kiko Mistrorigo | TV Pinguim
Tarsilinha,  direção de Célia Catunda e Kiko Mistrorigo | TV Pinguim
Cuca no Jardim, dirigido por Alê Abreu | Filme de Papel
A Floresta é Nossa, direção de Paulo Munhoz | Tecnokena
Fuga em Ré Menor, direção de Otto Guerra | Otto Desenhos Animados
As Aventuras do Avião Vermelho, direção de Frederico Pinto e José Maia| Armazém das Imagens
Ritos de Passagem, direção de Chico Liberato | Liberato Produções Culturais
Nautilus, dirigido por Rodrigo Gava | Lab Cine Digital e Paris Filmes
A Turma do Pererê, dirigido por Marcos Magalhães | Filmes do Rio de Janeiro

Já no caso das séries animadas, são 36 projetos, ou que já estão em exibição, ou em diferente etapas de realização ou que já receberam recursos de produção. Aí vai a lista

Godofredo | UM Filmes 
Osmar, A Primeira Fatia do Pão de Forma | 44 Toons
Zica e os Camaleões | Cinema Animadores
Historietas Assombradas | Glaz e Neoplastique
O Baú do Lu | Neoplastique  e Glaz
Boa Noite, Martha | Otto Desenhos Animados 
Brichos | Tecnokena 
Meu Amigãozão | 2D Lab 
Haina  | UM Filmes
Bobolândia, Monstrolândia | 44 Toons
Tordesilhas | 44 Toons
Capitão Constantino e a Ilha do Pudim Salgado | Split
O Jardim de Tika | Animatório
Caça ao Tesouro: As Aventuras de Billy Caolho! | Tortuga Studios
Dubal | Glaz
Luan, O Cometinha | Animar Estúdio
Vivi Viravento | Mixer
Sítio do Picapau Amarelo |  Mixer
Escola para Cachorro | Mixer
Turma da Mônica |  Mauricio de Sousa
Turma da Mônica Jovem | Mauricio de Sousa
Turma do Penadinho | Mauricio de Sousa
Luna Chamando |  TV Pinguim
Peixonauta | TV Pinguim
Tarsilinha | TV Pinguim
Saga Animal | Singular
Radio 4 Tunes | Lightstar Studios
Juju e o Senhor Casca de Noz | Aiupa Brasil Produções
Qui Qui Biscuit | Vetor Zero
Pixcodelics | Marco Alemar e Caio Mário Paes de Andrade
X-Coração | Martinelli
Anabel | Martinelli
As Aventuras de Gui & Estopa  | Mariana Caltabiano
Princesas do Mar | Flamma 

Não sei o motivo, mas no site Revista de Cinema, onde peguei a lista de Galvão, não estão as duas séries do AnimaTV. Enfim, estão aí:

Tromba Trem | Copa Studio
Carrapatos e Catapultas | Zoom Elefante

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Colaborações

VITOR DRUMOND
Fazer um blog sobre animação brasileira não é a coisa mais fácil do mundo. 

Talvez por ainda ser um campo em crescimento, em franca ascensão, mas longe de atingir a maturidade, as informações não são abundantes. 

Por isso, ajudas são mais do que bem-vindas para este blog.

Daí, criamos um canal de contato, no nosso bom e velho GMail.

Então, se você tiver uma animação própria no Vimeo, YouTube e afins; ou encontrou alguma que acha válido espalhar e divulgar, ou souber informações, notícias e projetos bacanas e quiser mandar para gente, o endereço é esse: 


animacaobrasileira@gmail.com 


Ah! Se identifiquem, por favor!

Enfim. Uma pequena colaboração para fortalecer o conteúdo deste blog.

Animação, publicidade e HIV/Aids une Brasil, França e Estados Unidos

VITOR DRUMOND
A AIDES  é uma organização francesa com o objetivo de dar suporte e voz aos soropositivos e todas as pessoas afetadas de alguma forma pela AIDS, além da infecção. Como fazem isso? Trabalham com apoio, informação, cobrança de autoridades e mobilização de voluntários.

Para passar sua mensagem, a AIDES procurou o know-how da agência de publicidade Goodby Silverstein & Partners. Criaram o conceito "Você nunca sabe por onde ele andou. Por isso, se projeta".

E o que tudo isso tem a ver com a tema deste blog?

Simples. A Seagulls Fly, estúdio carioca de animação, ilustração, concept art, manipulação de imagens, web e afins, foi a produtora responsável pela animação que faz parte da campanha da AIDES.  

Neste link, a equipe que trabalhou no projeto. O resultado ficou bem bacana. Confere aí:



Tarsilinha, novo longa dos criadores de Peixonauta

VITOR DRUMOND



A TV Pinguim já é maior de idade. A produtora de entretenimento infantil completa (ou completou, não sei o dia exato de sua fundação) 22 anos neste ano. Coincidentemente (ou não), essa é a época de sua real maturidade, quando ela sobe um novo degrau. Um degrau possível com o sucesso da série animada Peixonauta. O novo desafio atende pelo nome de cinema. São dois projetos de longas na TV Pinguim. Um é do próprio Peixonauta. O outro, inédito e original, se inspira na artista Tarsila do Amaral.

"Tarsilinha" é o título do longa e o nome da protagonista, uma garotinha de sete anos com questões de...uma garotinha de sete anos: maturidade, família e de relações sociais. Nesse confronto com seus medos e incertezas, Tarsilinha recorre à uma onírica viagem recheada por elementos da artisa Tarsila do Amaral. A jornada pelo mundo de cores, elementos gráficos e personagens da artista representa o rito de passagem da infância para a pré-adolescência de Tarsilinha.O que esperar de suas viagens? Baseando nas obras de Tarsila, a artista, uma identidade nacional.

O roteiro de "Tarsilinha" foi escrito por Fernando Salem, que já participou de várias séries infantis como Vila Sésamo e Cocoricó. A direção é de Célia Catunda e Kiko Mistrorigo, criadores e diretores da TV Pinguim.

Segundo a declaração de Mistrorigo para a revista Tela Viva, "Tarsilinha" será em 3D. Por dois motivos. Um é a questão mercadológica. Existe, agora, um negócio, uma distribuição relacionado aos projetos audiovisuais 3D. O outro é uma questão da narrativa. Para Mistrorigo as obras de Tarsila do Amaral são naturalmente tridimensionais e a tecnologia foi uma solução pensada desde o início.

A última previsão de lançamento é 2012. O projeto está em andamento desde 2008 e a vitória em três editais ajudaram na produção.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Animação brasileira e mercado: qual é o cenário?

VITOR DRUMOND
As discussões sobre a animação como um lucrativo negócio estão em alta como nunca. Hoje, no jornal "Valor Econômico", foi publicada uma grande reportagem sobre o tema. Intitulada "Produzir desenho animado no Brasil não é mais aventura" (acesso para assinantes), a matéria, escrita por Moacir Drska, discorre sobre iniciativas que fortaleceram e ainda fortalecem o mercado.



Uma das razões do mercado "quente", segundo a matéria, é a bem-sucedida trajetória de apostas animadas na TV por assinatura. O pioneirismo de Peixonauta, da TV Pinguim; Princesas do Mar, da Flamma Films; Escola para Cachorro, da Mixer; e Meu Amigãozão, da 2D Lab; e dos canais pagos onde são exibidos, Discovery Kids e Nickelodeon, provou a capacidade nacional de produzir séries animadas de qualidade e competitivas em termos de audiência. Tão competitivos que alguns deles já migraram para a TV aberta. Na semana passada, o SBT anunciou a aquisição dos direitos de exibição de Peixonauta. A Globo irá exibir a série de animação do Sítio do Picapau Amarelo, produzido pela Mixer.

Mas esse sucesso não poderia ser um fenômeno isolado. Era preciso incentivá-lo e fortalecê-lo. Daí nasceram uma série de iniciativas. Uma delas, já de conhecimento de muita gente, são os mecanismos do governo para o incentivo à animação. O AnimaTV é um. No último ano, destinou quase 4 milhões para a produção de 17 pilotos de série animada. Duas, Tromba-Trem, da Copa Studio, e Carrapatos e Catapultas, da Zoom Elefante, tiveram suas temporadas completas produzidas (aqui , os dias e horários que serão exibidos na TV Brasil e na TV Cultura). 



Outro mecanismo aparece com o Banco Nacional de Desenvolvimento, o BNDES. A segunda temporada de "Escola para Cachorros" teve 3,5 milhões de seu orçamento oriundos do banco, através do Procult, Programa BNDES para Desenvolvimento da Economia da Cultura. Segundo Drska, 15 projetos receberam 8,2 milhões do banco.

 No caso de "Escola para Cachorro",o fato da Mixer ter uma parceria de co-produção com a canadense Cité-Amerique foi visto pelo BNDES como uma segurança do potencial de vendas no mercado externo. O que nos leva à outra iniciativa listada na matéria do Valor: as parcerias fora do país. O alto custo das animações é uma das razões para a procura de co-produções internacionais. Segundo a declaração do diretor da Mixer ao Valor, é um sistema adotado em vários países, exceto aqueles onde o mercado de animação já é forte (leia-se Estados Unidos e Japão).



No caso de parcerias existem duas opções: uma é a prestação de serviços e o outro é o investimento de propriedade intelectual. O segundo caso se torna mais interessante devido ao possível ganho com outros produtos relacionados à animação. A TV Pinguim já tem uma série de produtos licenciados, adaptações para internet, livros, cinema, tablets, celulares, teatro. Também é o caso da Mixer e da Flamma Films e seus projetos. Nem preciso comentar o capital gerado pela animação da Turma da Mônica e seus outros produtos licenciados. Segundo o Valor, o licenciamento é a fonte de renda MAIS ATRATIVA do mercado de animação. Afinal, o poder de transmedia storytelling da animação, ou seja, histórias diferentes, os mesmos personagens, contadas em diversas mídias, resulta em um ciclo de vida maior em relação à outras soluções audiovisuais.

terça-feira, 26 de abril de 2011

O que vem por aí: "Ritos de Passagem", de Chico Liberato

VITOR DRUMOND

Na palestra de lançamento do livro "Dramaturgia em Série de Animação", falou-se sobre um dos atuais desafios da animação nacional: sair dos guetos, ter alcance e importância como produto econômico e cultural.

Por um lado, para alcançar tais metas, seria preciso, teoricamente, a produção de obras com temas mais universais. Por outro, é fato que a animação brasileira não é tão conhecida nem mesmo dentro do país. E, talvez, projetos que falam de nós mesmos podem ajudar na construção de uma identidade nacional de animação.

E, não necessariamente, falar sobre o Brasil seja ignorar temas universais. Brasil Animado 3D é um road movie pelo país, mas se sustenta pela amizade de dois personagens de personalidades extremamente opostas, um dos plots mais tradicionais da narrativa. Assim parece ser em Lutas, animação de Luis Bolognesi, que usa a história do Brasil como o contexto de uma grande saga romântica.

Será o caso de Ritos de Passagem, do cineasta e artista plástico Chico Liberato?

Liberato é um pioneiro da animação na Bahia e seus filmes passam por temas importantes do Nordeste. Em "Ritos de Passagem", pega dois personagens essenciais do imaginário do sertão. Eles acabam de morrer e através dos seus ritos de passagem (nascimento, juventude para a idade adulta, morte e transcendência), fazem uma auto-análise das próprias escolhas.

É o cenário brasileiro para falar de um tema muito universal: quais serão as consequências dos meus atos em vida?

A produção é da Pipa Filmes

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Dramaturgia em série de animação

VITOR DRUMOND
Animação não é só a técnica pura. Uma boa história e soluções técnicas que ajudam a contá-la é vital para um projeto animado.

A bibliografia sobre dramaturgia em animação sempre foi pobre no Brasil. Na última semana ficou um pouco mais rica com o lançamento do livro "Dramaturgia  de Série de Animação", escrito por Ségio Nesteriuk. 

O livro passa pela história da animação no país, técnicas e histórico da narrativa seriada (que é completamente diferente da narrativa para cinema), elementos da animação aplicados à história e alguns estudos de caso.

Não li o livro inteiro. Pela palestra de lançamento, feita pelo próprio Nesteriuk, parece ser uma obra interessante e um importante item para a bibliografia tanto de animadores quanto roteiristas. Sem contar que, no final da obra, há uma excelente lista de livros sobre o tema. 

E mais. No campo da dramaturgia não existem verdades absolutas. Existem formas mais eficazes, mas é tudo muito relativo. O livro, porém, faz parte de um projeto da AnimaTV e Nesteriuk é consultor de dramaturgia do AnimaTV. Quer dizer, provavelmente, é a dramaturgia que o programa do governo que estimula o desenvolvimento do mercado da animação espera. 

"Dramaturgia em Série de Animação" está disponível em Creative Commons. É só clicar aqui embaixo:


sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

As animações do Oscar brasileiro

VITOR DRUMOND
Para exemplificar o poder do Oscar comentado no post anterior, é interessante observar vários países que já tem o seu Oscar local. Na França, o César premia os destaques dos lançamentos cinematográficos. Na Espanha é o Goya. O Golden Horse é o Oscar do cinema chinês. O Bollywood da Índia também tem o seu: o International Indian Films Awards. E por aí vai.

No Brasil, a tentativa de uma Academia de Cinema começou em 2000 com a criação do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Porém, apenas em 2003 foi criada uma categoria de curta de animação. Na época, o vitorioso foi "A Lasanha Assassina"


Neste ano, já foram selecionados os semifinalistas da categoria. Destes serão escolhidos cinco. "Tempestade", o curta de César Cabral comentado no post anterior é um deles. Conheça, agora, os outros:

- Balanços e Milkshakes, dirigido por Erick Picco e Fernando Mendes, escrito por Erick Picco. Clique aqui para assistí-lo no Porta Curtas.


- Bonequinha do Papai, dirigido por Luciana Eguti e Paulo Muppet.


- Cattum, dirigido por Paulo Miranda


- Eu Queria Ser um Monstro, dirigido e escrito por Marão. Clique aqui  para assistí-lo no Porta Curtas.



- Imagine uma Menina com Cabelos de Brasil, dirigido e escrito por Alexandre Bersot. Clique aqui para assistí-lo no Porta Curtas.



- Menina da Chuva, dirigido por Rosaria. Clique aqui  para assistí-lo no Porta Curtas.



- Meu Medo, dirigido por Murilo Hauser, escrito por Hauser e Henrique Martins. Clique aqui para assistí-lo no Porta Curtas.



- O Rapto do Peixe-Boi, dirigido e escrito por Cássio Tavernard, Rodrigo Aben-Athar.



- Os Anjos do Meio da Praça, dirigido e escrito por Alê Camargo, Camila Carrossine


- Tempestade, dirigido por César Cabral e escrito por Cabral e Leandro Maciel. Clique aqui  para assistir e saber mais sobre o filme



- War, dirigido por Christian Caselli, escrito por Caselli e Márcio Jr.

"Tempestade": Animação Brasileira em Sundance

VITOR DRUMOND

O Oscar é uma premiação poderosa. É só um projeto que tenha alguma relação com o Brasil ser indicado ao grande prêmio da indústria cinematográfica que, da noite para o dia, seu potencial de sucesso triplica. Afinal, os cadernos de cultura dos jornais não irão perder a chance de colocar o feito na capa. Foi o caso do documentário "Lixo Extraordinário", co-produção Brasil e Inglaterra. Enquanto isso, projetos brasileiros selecionados em festivais menos badalados, não recebem tamanha exposição.

É o caso do curta de animação "Tempestade". Selecionado para o Festival de Sundance, o maior festival de cinema independente, o curta foi dirigido por César Cabral, um colecionador de prêmios. Seu último curta, a ótima mistura de animação e documentário "Dossiê Rê Bordosa", recebeu 70 prêmios no Brasil e no mundo.

"Tempestade" e sua história sobre o marujo solitário em busca de sua amada pode ser assistido no site PortaCurtas. Clique aqui.

E se, por um acaso, você ainda não assistiu à "Dossiê Rê Bordosa", agora não há mais desculpas:

Primeira parte:



Segunda parte:

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Animações Brasileiras no Cinema - O Que Vem Por Aí: Fuga em Ré Menor, de Otto Guerra

VITOR DRUMOND


Em outubro de 2006, estreava nos cinemas brasileiros "Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock´n´Roll". Baseados nos personagens de Angeli, criador de tipos impagáveis como Rê Bordosa, Os Skrotinhos e os próprios Wood e Stock, a animação segue alguns filhos perdidos da cultura hippie do fim dos anos 60 nos dias de hoje. Uma animação para adultos nacional com um destino pouco comum para obras do tipo: multiplexes, cinemas de shopping. Na época, o número de salas não era tão grande se comparado às estréias de outras produções. Mas, certamente, foi um lançamento relevante. O relativo sucesso foi consequência de muitos anos de trabalho. Afinal, Otto Guerra, o diretor de "Wood & Stock", ganha a vida com animação desde o fim dos anos 70 e passou a ser figurinha constante de festivais de cinema nacionais e internacionais desde 1984, quando "O Natal do Burrinho", primeiro curta do então jovem de quase 30 anos, saiu do Festival de Gramado com um Kikito no bolso.

Quase cinco anos se passaram e nenhum filho da produtora de Guerra, a Otto Guerra Desenhos Animados, apareceu na tela grande. Um dos motivos da demora parece ser pelo bem da qualidade . Guerra pretende alcançar com "Fuga em Ré Menor Para Kraunus e Pretskaya", seu próximo longa, um nível, como o próprio diz, "altíssimo".

Guerra falou um pouco sobre o projeto à  + Soma , revista sobre a cena independente da arte e da música. Em uma entrevista publicada em abril de 2010, Guerra disse que resolveu ignorar os prazos para fazer uma grande animação. Confirma que seu filme dá um banho nos anteriores e, na época, dizia que ainda faltava um ano e meio para finalizar a produção.

A animação é inspirada no espetáculo "Tangos e Tragédias". É um daqueles incríveis sucessos regionais que ultrapassam seus limites geográficos. Estreou em 1984 em Porto Alegre, onde continua sendo encenado anualmente em janeiro. Passou por boa parte do Brasil e em países de língua espanhola. Mais especificamente, a animação é inspirada em Sbórnia, o país fictício criado para a peça (conheça mais sobre ele aqui ). Sbórnia é uma ilha isolada que vaga livremente pelos mares do mundo, ora faz fronteira com um país, ora com outro, ora com nenhum. Na animação, Sbórnia deixa de ser um local isolado e o país passa a receber as influências da modernidade.

Abaixo um video de "Fuga em Ré Menor". .Para conhecer os trabalhos de Otto Guerra, clique aqui . E aqui  para acessar o site oficial da animação.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Brasil Animado 3D

VITOR DRUMOND
Existe ainda grande influência da narrativa televisiva no cinema brasileiro. Não é a minha intenção generalizar. Ao contrário de alguns, vejo no cinema nacional uma produção variada e em um crescimento saudável. Mas, é fato, a TV ainda tem seus reflexos na nossa produção cinematográfica, principalmente nos filmes considerados mais populares que, na minha opinião, ainda não conseguiram se encontrar, apesar de algumas experiências bem-sucedidas. Tal afirmação pode ser provada com a iniciativa da Globo de dividir longas que produziu e transformá-los em microsséries, caso de "Chico Xavier" e "O Bem Amado". Talvez, se a televisão tivesse sido o destino de "Brasil Animado 3D", teríamos um projeto vitorioso. Não foi o caso. No cinema, a animação de Mariana Caltabiano não funciona muito bem.

Os protagonistas são Relax e Stress, dois cachorros falantes e de personalidades extremamente opostas. Nem é preciso citar as características de cada um. As escolhas de seus nomes dizem tudo. Juntos, vão em busca da árvore mais antiga do país. Ao invés de dar preferência à "caça ao tesouro" e às personalidades conflitantes dos personagens, Caltabiano preferiu investir em uma espécie de guia turístico bem humorado do nosso país. Por isso, as situações se repetem. Relax e Stress vão para locais diferentes e, em cada um deles, apresentam curiosidades da história e cultura do lugar. É, portanto, um filme episódico que depois de algum tempo cansa. Por ser episódico, a ideia de "Brasil Animado 3D" ser realmente dividido em episódios de poucos minutos parece uma solução mais interessante para a produção.

Principalmente porque o personagem Stress é um grande achado. Com sua charmosa rabugice, seus preconceitos inofensivos e sua ignorância em relação ao próprio país, Stress poderia carregar nas costas vários capítulos de um desenho animado televisivo. O personagem rouba a cena e seu dublador Eduardo Jardim faz um trabalho sensacional (Jardim também dubla Relax e não decepciona).

Brasil Animado 3D tenta atrair adultos com algumas referências a Star Wars, Ghost e outros filmes, mas funcionam menos do que deveriam. Afinal, de nada adianta citações espertas para mais velhos se o conjunto total da obra não consegue atraí-los. Não existe uma história consistente que segure o filme. A busca da árvore mais antiga do mundo serve como uma desculpa para uma aula de geografia para crianças.

Pois o filme é visivelmente para crianças menores. Resta saber se foi a intenção da diretora ou não. Se foi, talvez eu, no alto dos meus 25 anos, não seja o mais indicado para comentá-lo. Mas fui ao cinema com meu primo, de nove anos. Definiu o filme com um "legal" que me pareceu menos animado do que os outros "legal" proferidos por ele após outras sessões de cinema. Logo, ele emendou: "mas eu prefiro Gui & Estopa". Trata-se de uma animação de poucos minutos que o Cartoon Network exibe todos os domingos às 09:30. Talvez, teria sido este o destino ideal para Brasil Animado 3D.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Trailer do curta "O Céu no Andar Debaixo" de Leonardo Cata Preta

Rafael Guimarães

trailer - O céu no Andar de Baixo from catapreta on Vimeo.


Leonardo Cata Preta se formou em cinema de animação pela UFMG, onde tive a honra de compartilhar algumas matérias com ele. Um cara com talento acima da média. Tenho certeza que esse novo filme, que foi um prêmio do edital Filme em Minas, será outro sucesso na sua carreira, como foi com "Moradores do 304".

Brasil Animado 3D estreia hoje

VITOR DRUMOND
Estreou hoje Brasil Animado 3D, animação nacional escrita e dirigida por Mariana Caltabiano.

O filme é protagonizado pro Relax e Stress. O primeiro é um diretor de cinema que só pensa em curtir e o segundo é um empresário pão-duro e ganancioso. Com objetivos diferentes, os dois partem juntos para uma jornada em busca da árvore mais antiga do Brasil.

As tramas sobre personagens com personalidades diferentes que são obrigados a viverem juntos, quando bem construídas, costuma dar certo.

Para saber se deu certo, entretanto, temos que tirar nossas próprias conclusões. E, para isso, é preciso correr para os cinemas!

O trailer está aqui:

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Lutas: Trailer e Bastidores

VITOR DRUMOND
Um pequeno lapso de minha parte no post anterior que consertarei agora: a animação "Lutas" de Luis Bolognesi já tem trailer na Internet e deixei passar. Está aí:



Além do trailer, tem no YouTube, uma matéria sobre os bastidores da animação. Foi exibido no canal Multishow. A qualidade do vídeo não é lá essas coisas, mas dá para pegar algumas informações bacanas:


sábado, 15 de janeiro de 2011

Animações Brasileiras no Cinema - O Que Vem Por Aí: Lutas, de Luiz Bolognesi

VITOR DRUMOND
"Brasil Animado 3D", de Mariana Caltabiano, vai estrear nos cinemas em 21 de janeiro em um esquema grande de lançamento. Pelo menos, se formos pensar na média das estreias de animações brasileiras. Serão 250 cópias por todo o Brasil. Ontem, o filme foi a matéria de capa do O Globo (clique aqui para ler). Mas este não parece ser um fenômeno isolado. Vários outros longas de animação nacional estão sendo produzidos e muitos deles já tem data de estreia. É o caso de Lutas, de Luiz Bolognesi.



Bolognesi é um dos roteiristas mais importantes do país. São dele os roteitos de "Bicho de Sete Cabeças", "Chega de Saudade", "Terra Vermelha" e "As Melhores Coisas do Mundo". "Lutas" é sua estreia na direção de longas de ficção.

Porque estrear na direção com uma animação? Com roteirista, o que mais parece ter atraído Bolognesi é o fato do desenho animado permitir contar qualquer história. Quando se faz um live-action existe uma série de limitações. Na animação, o impossível se torna possível. E a história de "Lutas", a princípio, parece ambiciosa.



O protagonista, dublado pelo onipresente Selton Mello, é um personagem de 600 anos. Ele tem um grande amor (dublada por Camila Pitanga). E, a cada vida dela, ele precisa reconquistá-la. Essa saga romântica tem como contexto a história do nosso país. E, como um personagem imortal, ele passa por vários trechos essenciais da formação de nossa nação. Passa pelas batalhas de tribos indígenas rivais, antes mesmo da chegada dos europeus ao Brasil. Passa pela Balaiada, revolta popular ocorrida entre 1838 e 1841. Passa pela ditadura militar. E, também, passa por 2096, quando o país estará em guerra por causa da água.



"Lutas" chegará aos cinemas em 02 de setembro. Uma data que não parece ser a ideal para o diretor. O filme é voltado para o público adolescente e o recesso escolar seria a época perfeita para lançá-lo. Mas com salas de cinema ocupadas por "Capitão América", "Harry Potter" e "Transformers", a produção seria uma mosquinha dentro de um duelo de gigantes. Talvez seja uma postura de lançamento que um dia vai mudar. Mas, por enquanto, o remédio é ficar satisfeito com a possibilidade de ser visto em tela grande.

As imagens ao decorrer deste post são todas do filme.


quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Duas boas notícias

Rafael Guimarães
1-Peixonauta será transmitido nos EUA! Canal americano fechou acordo c TV Pinguim, associada a ABPI-TV, para exibir a animação. Veja matéria completa


2-Animação Meu AmigãoZão, da associada a ABPI-TV 2DLab, ganhou Prêmio APCA de melhor programa infantil. Parabéns!! Veja matéria completa


Viva a animação brasileira!

Fonte: @BrazilianTVProd

Coprights @ 2016, Blogger Templates Designed By Templateism | Distributed By Gooyaabi Templates